Pesquisar

02/12/2014

Microsoft Kin, eletrônico e tecnologia que morreram cedo demais

Microsoft Kin, eletrônico e tecnologia que morreram cedo demais
Com menos de mil unidades vendidas, ele foi considerado uma tragédia por não conseguir uma única avaliação positiva na imprensa.






Um projeto ambicioso e que movimentou a quantia de US$ 1 bilhão somente no desenvolvimento. Um projeto ambicioso e que foi descontinuado menos de dois meses depois do lançamento oficial. Esse é o resumo da curta e decepcionante história dos smartphones Microsoft Kin. Com menos de mil unidades vendidas, ele foi considerado uma tragédia por não conseguir uma única avaliação positiva na imprensa.
Microsoft Kin, eletrônico e tecnologia que morreram cedo demais

Mas, se o aparelho era ruim e vendeu pouco, por que ele está nesta lista? Pelo motivo de que ele abriu espaço para uma série de tecnologias relacionadas aos smartphones. Sincronização em segundo plano foi algo inédito para a época (2010) e armazenamento em nuvens também passa pelo mesmo processo. Apesar de ele não poder ser comparado com o iPhone ou com os Androids da época, poderia ter sido mais bem aproveitado.

A interface de usuário prometia grandes feitos, apesar de completamente instável. Outra falha era a baixa integração com redes sociais, que já começaram a emergir como uma necessidade básica dos aparelhos naquele ano. Em suma, o Kin tinha design, bateria, recursos e câmeras capazes de torná-lo um grande competidor. O que faltou foi planejamento e execução.























Fonte: tecmundo Fotos: Divulgação

Produtos em destaque no site

Veja nossas sugestões de produtos